A DESPEDIDA

Esplendores da Cristandade-

Benoît Bemelmans.

A menina agarra-se ao braço da religiosa a quem acaba de dar um ramo de flores, enquanto a mãe lhe apresenta a filha mais nova para a despedida. Atrás delas o funcionário dos correios consulta o relógio. A pontualidade é para ele um dever.

No interior da carruagem, outra freira já ocupa o seu lugar ao lado de um militar. Outra viajante compra frutas a uma simpática vendedora ambulante. A dama de touca e lenço azul aponta com a sombrinha para a caixa de chapéu que lhe pertence.

Os carregadores dispõem a bagagem no tecto do veículo, alguns homens conversam perto dos cavalos, e o funcionário responsável pela transportadora toma notas no seu relatório.

Assim era a vida há um século ou pouco mais: tranquila, alegre, interessante, colorida. A indumentária variada e elegante realça a dignidade das pessoas. O ambiente é de calma, mesmo no meio ao burburinho que precede a partida. Ninguém grita nem gesticula. Embora sejam de regiões e classes sociais diferentes, pela harmonia que a cena transmite os personagens parecem membros de uma mesma família.  Por outras palavras, os princípios cristãos ainda marcam profundamente esta sociedade, entretanto já fustigada intensamente por ideias e princípios revolucionários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Show Buttons
Hide Buttons